quarta-feira, 16 de julho de 2008

[En]Cantando


- “Você foi a causa do meu fim!” Foram as últimas palavras ditas pelo jovem senhor, antes de fechar os olhos para sempre, deitado naquela cama de hospital. Não cabe contar a história de sua vida, mesmo por ser um tanto desastrosa, e de desastre já basta a sua própria morte, não sendo possível, entretanto, medir qual seria o maior dos desastres, sua morte, ou sua vida. Mas o fato é que ele mesmo já não sabia mais conviver com tamanho conflito. Fora sem dúvidas um homem bem sucedido, tanto em sua vida pessoal, como eu sua vida profissional. Não podia dizer que tinha sido rico, mas vivera com conforto, e proporcionou bons bocados à sua família.

Mas como em todo rebanho há uma ovelha desgarrada, aquela sua filha, a mais nova, não seguira conforme planejado. Todos os outros estudavam direito ou medicina, e ela queria ser cantora. Todos os outros contribuíam para o bem estar da família e para a manutenção de sua boa imagem, enquanto ela era desprovida de qualquer apego material. Se vestia mal, ouvia músicas estranhas, não se envolvia com amizades sociais e muito menos fazia sala para ninguém. Era de fato diferente, e ele, mesmo no leito de morte, não conseguia entender a razão de tamanha discrepância de comportamentos, visto que todos foram educados da mesma forma e com o mesmo requinte. Isso o revoltava!

E assim ela cresceu. Entre vários namorados, várias aventuras, havia também um doce “bom dia” ao amanhecer à mesa do café, coisa que os outros não faziam. Óbvio, já que os outros tinham sempre muitas tarefas, e estavam sempre muito apressados, correndo muito. Enquanto isso, aquela menina passava o dia em seu quarto, decorando músicas, tocando violão e falando ao telefone. Às vezes saía com os amigos, e sempre chegava muito tarde, não importando qual fosse o dia da semana. Ela era doce, romântica, mas isso não importava. Para seus pais ela seria sempre a irresponsável, a ovelha negra... queria ser cantora!

Agora, ela era a única dos cinco filhos que estava ali, assistindo a morte daquele que tanto a recriminou. Claro, todos os outros tinham muito o que fazer, ela não! Olhou seu pai já delirante nos olhos, mas não teve tempo de dizer que o amava, apesar de tudo. Regada a doloroso pranto, ela viu suas palavras serem cortadas pela última frase de seu pai em vida. Saiu do quarto, chorando muito e cantando uma triste canção.

26 comentários:

Carol disse...

Quem a gente menos espera sempre está ao nosso lado...
Lindo conto!

~Camila~ disse...

Páááraaaaaaa que história triste!
NÃO PODE CONTAR HISTÓRIAS TRISTES!

vou te bater hahahahhaha

apareci!

~Camila~ disse...

ahahahha vc viu
o negocio tá ficando feio açldfhsoir

logo logo continuo

beijo

¤÷(`[♥ Andréia Ferrim ♥]´)÷¤ disse...

Muiito liindo esse post.
Amei...
BjOs

Flávia Fabri Cesário disse...

Vini!!! Que triste!
Mas, demonstra que o apego material não vale nada! O que vale é o amor as pessoas.
Apesar de toda recriminação do pai, ela seguiu em busca do sonho de ser cantora. E mostrou o quanto seu coração era bom ao estar do lado do pai que tanto quis acabar com seu sonho.
Belissimo conto! Parabéns!
Beijos!

Camilla disse...

Tá aí uma história linda para refletirmos muito bem antes de julgar as pessoas. Sejamos a nossa essência, o nosso eu verdadeiro. A filha mais nova era apenas ela mesma, não tentava ser aquilo que queriam que ela fosse. E no final, acho que ela saiu com a consciência limpa, pois não devia nada para ninguém, nem pra si mesma.

Ei Vini, suas histórias estão tão tristes ultimamente.

=(

Vamos animar isso aqui.

Bjim.

camila disse...

q tristee ahuahuah=/

http://imensidadex3.blogspot.com

mundo a fora disse...

meninooooooooooooo

ou eu demoro a vim aki ou tu tem um catoco (como fiz minha mãe) vive mudando o layout hauhauahu

brigada pelo carinho, estou trabalhando muito pra mudar meu layout. tá na hora né?

bjoka amigo

>.<

Jeniffer Santos disse...

É a vida...
quando tudo parece acabar e a gente olha para o lado,que tá é quem mesmo a gente esperava encontrar =/


beijos

*Raíssa disse...

Sempre tem uma 'ovelha negra' na família. Muitas vezes ela é a pessoa mais legal e mais inteligente de todas, mas ainda assim é considerada a responsável por tudo de ruim o que acontece com a família. Isso tudo porque é diferente do resto.

E foi essa ovelha negra a única que assitiu a morte daquele pai ingrato! Life's unfair.

Beijos

*Raíssa disse...

Esqueci de dizer: tem presente pra você lá no blog! :)

Beatriz disse...

Um conto... tão real quanto a vida de muitos de nós que nos escusamos em aceitar que o outro seja aquilo que a sua natureza (ou a sua vontade) proclama. A intolerância, a inaceitação, sempre existiu nos relacionamentos, quando se julga saber o que é melhor para o 'outro' ou quando queremos moldá-lo à nossa vontade.

Um conto triste, mas apenas um retrato da vida de muita gente que, mesmo com a proximidade do fim, não resiste em deixar a sua marca de incompreensão naquele que apenas quis ser aquilo que a natureza lhe pedia.

Ficam flores e estrelas tecendo sorrisos no teu caminhar, um beijo no coração, e o desejo de lindos sonhos a enfeitar tua noite.

Flá disse...

O destino é o que mesmo? Hum... irônico ;)

adorei o conto.

Beijo!

Camila disse...

Nossa que história triste q que pai ingrato!
Um dia antes do meu avô (q eu amo demais) falecer eu o visitei no hospital, ele estava meio aereo e passando mal não consegui ficar muito tempo pois não queria que ele me visse chorar... mas antes de sair dei um beijo em sua testa e disse :"Vô vou descer pois tem mais pessoas querendo vê-lo, mas EU TE AMO MUITO!"... foram minhas ultimas palavras para ele...
=/
Beijo

~Camila~ disse...

Deeeer.. pode continuar suas histórias ow..
é brincadeira !hahhaha


Também prefiro as tristes..
SÃO MAIS REALISTAS EU ACHO

beijos

~Camila~ disse...

Hahaha logo logo tá continuando o proximo cap. eim!

TE ESPERO LÁ

camila disse...

tristee mas liindoo ahuahuauhahu

me visitaa?


http://imensidadx3.blogspot.com

T disse...

lindo e triste :(
haha
beiiijo

Nadezhda disse...

Mas por incrível que pareça, os filhos que os pais menos 'gostam', ou os acham diferentes demais, são os que estão na hora da morte!

;)

Luifel disse...

É incrível o quanto somos presos a paradigmas e o quanto os pais querem ver os seus gostos realizados nos filhos.

Sempre tive essa impressão que os mais desprezados são sempre aqueles que sempre estão ali...

Abç!

Cámila disse...

Tudo vai ficar bem pode ter certeza!
to lutando pra isso!

Jeeh disse...

amei o conto Vííí, aquela que era considerada a ovelha negra da familia, que o pai taanto desprezava, foi a unica a estar à seu lado na hora da morte,.
é isso, quem canta seus males espanta.
eeei, seu blog ta de novo visu ein garoto?!
ameei,como sempre aqui bombando.hihi
teadoro demais ((:

Tudo ou nada ... disse...

Lindo mesmo hein!! concordo com todos daki. Vc é um cara q escreve muito bem, ñ é atoa que gosto de estar sempre por aki rsrs... modesto eu rsrsrs. brincadeira.
Saudade de aparecer, ando sem tempo mas nunca esqueço.
Abraços e um bom findi

Teresa disse...

estorinha tristinha, porém bonita.

e acontece!

=*

paula barros disse...

Vinicius
Estou encantada e engasgada.
Você escreve do jeito que gosto.
Maravilhoso!!!!
Esse seu texto é uma lição de vida. Como as pessoas sofrem dependendo da escala de valores, dos conceitos, dos apegos. Não ver amor, onde existe. Não exerga a sensibilidade.

Jéssica V. Amâncio disse...

Nossa, que forte. rs

"Foi quando meu pai me disse filhaa, você é a ovelha negra da famíliaa."
Lembrei da música da Rita Lee na hora.

Adoorei o texto. Uma lição de vida!
Beijão!