quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

A Tragédia

Foto: AFP Photo/UN
Não eram apenas haitianos, eram seres humanos! Não foi apenas um país, com prédios de concreto, e sim o orgulho de todo um povo que já sofre pela simples capacidade de sobreviver mais um dia. De fato, algo está muito errado no mundo.

Há os que contestam esta história de aquecimento global, dizem que é tudo uma suposta grande conspiração dos ambientalistas. Há também os que acham que as grandes nações teriam que reduzir seus processos de industrialização e produção, e há ainda, os que acham que tudo isso não passa de uma grande jogada de marketing, para atrair os olhos do mundo para os grandes líderes mundiais que ultimamente encontram-se reunidos constantemente, diante da descrença da opinião pública no que concerne à real capacidade desses líderes de lidederarem, de fato.

Não importam as razões, os motivos ou mesmo as circustâncias. Não interessa acreditar ou não em teorias, conspirações. Pessoas estão morrendo, vidas estão sendo reduzidas a pó, os oceanos invadiram as terras, destruíram as plantações, levaram em sua correnteza o resto de força que as pessoas tinham para encarar este tão difícil ato que é viver. Enquanto isso, nós, que ainda nos encontramos ilesos e inteiros, tanto em nosso orgulho quanto em nossos bens materiais, seguimos vivendo dia-após-dia, trabalhando, estudando, correndo, lutando e sendo feliz, sem saber, que ao fazer isso tudo, de uma forma ou de outra estamos destruíndo o nosso lar, e direta ou indiretamente causando todas essas imensas catástrofes naturais que assolam o planeta, e quanto a isso, não há força nem tecnologia que possa atuar em nosso favor.

Haiti, São Paulo, Ilha Grande, Rio de Janeiro, China, Japão, Minas Gerais... seja onde for, e seja qual for o tamanho da tragédia, a triste verdade é que esta hoje é fato presente em nosso cotidiano, e como se não bastassem todas as provações que precisamos passar para sobreviver neste mundo cada vez mais complicado, ainda somos obrigado a "lutar" contra uma força diante da qual não temos nenhuma chance: a natureza!

Culpados? Sim, o governo que não dá estrutura ás cidades, não proporciona igualdade social, e todo aquele blábláblá que todos nós já conhecemos. Deus, que resolveu "castigar-nos" impiedosamente como humanidade pecadora, e através de Sua ira resolveu mostrar-nos, na verdade, quem é que manda. Muitos podem ser culpados, até mesmo o nosso Criador. Mas antes, olhemos para o espelho, e reflitamos sobre nossas atitudes diárias, sim, aquelas mais simples, como por exemplo o pequeno papelzinho de bala que jogamos na rua.

Sim, culpados ou não, vítimas ou não, NÓS, eu, você que agora lê essas palavras, estamos causando a nossa própria destruição. Não tarda para que todos nós sejamos afetados, de uma forma ou de outra, por uma grande catástrofe natural. E somente assim, desta maneira trágica mas acima de tudo providencial, é que poderemos finalmente entender o que Ele, há mais de 2 mil anos, tenta nos ensinar: não existe diferença entre haitianos, brasileiros, americanos, africanos, pretos, brancos, ricos, pobres, bonitos, feios...

7 comentários:

Camilla disse...

Eu ia fazer uma postagem exatamente sobre isso, amor. Desde os acontecimentos em Ilha Grande, estou maquinando um texto na cabeça, que no fim vai dizer mais ou menos o que você escreveu hoje. A natureza vem reagindo da mesma forma como a temos tratado, e isso não é um assunto pra ser discutido somente pelos nossos líderes em uma convenção sobre o clima, mas sim, diariamente, dando ênfase nas nossas pequenas atitudes, como o exemplo do papel de bala. Tudo está interligado de alguma forma. O desmatamento tem a ver com a erosão e os deslizes de terra, as inundações, com a falta de escoamento das ruas, consequência dos bueiros entupidos pelo nosso lixo. As chuvas em excesso são transformações diretamente interligadas com as mudanças climáticas por causa do aquecimento. E por aí vai... É muito fácil sentar no sofá e chamar um Haitiano, por exemplo, de coitado. Mas, o difícil mesmo, é tirar a bunda do sofá. Já dizia eu a algum tempo... rs

Ótimo texto, amor!
Beijos

- gabs, disse...

A verdade é que não é a culpa do governo, nem deviamos culpá-los por isto. Somos nós mesmos quem jogamos lixo na rua, aqueles que empopem os bueiros e alagam as ruas. Somos nós mesmos que destrímos nosso mundo. Não eles, somos nós. Eles também de certa forma, mas não tratados como dever político, e sim humano.
Governo nunca foi pra nada, nunca representou. Na verdade, talvez sim, mas quando se trata de algo NOSSO - nosso mundo - nós é quem devíamos cuidar e ser culpados.


Deus não castiga, ele nos deu o mundo de presente, e fazemos isso dele. Ele não pode tirar o mundo de nós e consertá-lo, muito menos alisar nossa cabeça e resolver nossos problemas. Asssim como um pai, pai de todos nós, ela vai nos ensinar da pior forma, mostrando as consequencias que se tem quando agimos mal perante nossos prórpios bens - a terra.
Quem tem cuida, como não cuidamos, inevitável não perdá-la.

Beeeeijos, ótima semana.
Adorei o assunto abordado.
Mas no fundo acho que só assim, sofrendo, é que nos tocaremos um dia de quão importante é uma plantinha só.

Juliana. disse...

Sim, a natureza reagindo as agressões feitas pelo homem!!
Muito sofrimento!!

Sensível texto!!

Renato Orlandi disse...

Concordo plenamente com o que escreveu hoje, realmente não importa nossa nacionalidade, crença ou estilo de vida. Existem pessoas morrendo, pessoas sofrendo, pessoas sem casa, com doenças, pessoas dormindo no chão gelado neste momento e porque? Talvez nunca saberemos com ctz, se ira divina, se falta de consciencia do próprio homem destruindo tudo, mas isso também é o de menos. Concordo que teorias não ajudam em nada nesse momento, o que realmente ajuda é o que faremos daqui adiante. Como poderemos ajudar? Rezar, mandar mantimentos, oferecer ajuda profissional, dinheiro, não importa, se inscrever em listas de discussão para tentar ter ideias de recosntruir a cidade, sim, até isso ajuda. Parar de jogar lixo na rua, também, qualquer coisa, mas façam algo. Eu vejo gente morrendo todos os dias na minha profissão, fico feliz que agora outras pessoas começam a entender a fragilidade da vida, o que somos e o que representamos, MUITO infelizmente uma país precisou ir abaixo para começarem a se sensibilizar com isso. Nada vem ao acaso. Gde abraço!

Flavia C. disse...

Vinícius, creio que não tenha visto um texto meu, que falei sobre o mesmo assunto! Caso queira ver, o postei a alguns dias ...
O nome é "O mundo se comove, mais ninguém se move". É só procurar nos últimos arquivos do meu blog (:

Sabe, eu gosto de ver que ainda existem pessoas realmente preocupadas com esse mundo em que vivemos. Somos poucos, mais existimos. Não poderemos mudar o mundo sozinhos, mais se um dia esse planeta azul não mais existir, teremos morrido com um pouco menos de culpa.
Parabéns pela postagem, está muito bem escrita, e está muito real, o que é importante pra chamar a atenção das pessoas!
PARABÉNS PELA INICIATIVA :)

Mariana Andrade. disse...

o mundo vai morrendo, ora lentamente, ora com intensidade que chaga a dar medo. e ainda há quem diga que não está acontecendo nada! hipocresia! não tem essa coisa de fazer silêncio pelas vitimas.. temos mais é que gritar, e mover mãos e braços fazendo, pelo menos, a nossa parte.
muito bonita a tua iniciativa de escrever sobre isso,
abraços.

Ludmilla disse...

Me desculpa, mais eu vou dizer. O ser humano recebe os desastres que propriamente buscamos receber. FATO. Abraço, gostei do texto. yudo bem escritinho, ficou otimo as informações. Quem sabe um dia eu aprendo a escrever assim, BEEEM.