quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

A saga de um amor verdadeiro


Cento e quarenta reais no bolso, uma passagem de avião de ida e volta, um sonho na cabeça e um sentimento imenso no coração. Ele não se conformava com a distância que os separava. Eram mais de três mil kilômetros doloridos, malvados, torturantes... partiu naquela empreitada que deveria durar quatro ou cinco dias, mas nada tirava de sua cabeça que alguma coisa naquele momento seria diferente.

Sentia-se sufocado por um amor que precisava, de uma forma ou de outra, ser vivido. Nunca acreditou em loucuras de amor, aquilo sempre fora coisa de novela e de romance americano. Acreditava sim, na capacidade que um sentimento, quando é puro e verdadeiro, tem, de fazer com que as coisas simplesmente aconteçam, sem que exista o medo de um futuro incerto, de necessidades materiais, de possíveis dores futuras.

Por ter tido a possibilidade de um dia tê-la olhado nos olhos, sentia-se seguro, forte, decidido. Sabia que aquela não seria apenas mais uma visita de feriado prolongado. Sabia que aquela passagem de volta não seria utilizada. Ao menos não na data prevista. E assim, partiu.

Deixou para trás o certo, a segurança, o lar, e saiu em busca de tudo o que sempre lhe faltou durante a vida inteira: a cumplicidade, o amor recíproco, o companheirismo e o respeito como pessoa, homem. Sabia, desde o primeiro momento, que não seria fácil. Havia muitos obstáculos a superar, muitas incertezas, e até um medo insistente que não se cansava de martelar sua cabeça o tempo inteiro. Duas horas e meia de avião, mais quatro cansativas horas de ônibus, e ali estava ele, olhando profundamente nos olhos dela e tentando traduzir um pouco do amor que palpitava-lhe o peito de forma tão violenta que fazia com que suas lágrimas fossem incontidas, porque amor de verdade sempre extravasa o limite das palavras e do gesto. Não importava o que viria pela frente, aquele momento do encontro era mágico, e nada iria tirar o brilho daquele instante.

Hospedou-se num hotel de uma cidade estranha apenas com o dinheiro das duas primeiras diárias, sabendo que aqueles dois dias tinham, de qualquer forma, que transformar-se em dois meses, dois anos, dois milênios... ao expressar para ela sua intenção de não mais retornar à terra natal e buscar horizontes ali, naquela cidade estranha, porém ao lado do amor de sua vida, chegou a sofrer uma certa "rejeição", por assim dizer, vinda dela. Era incerto demais, era louco demais, e tinha tudo para dar errado. Mas ele sabia que daria certo, apenas não sabia como.

Conseguiu um emprego temporário de professor de uma escola estadual, apenas dois meses, que o sustentaram. Em seguida, conseguiu um emprego fixo, com salário baixo, mas que podia mantê-lo ali, sem muitas mordomias. No entanto, em seu sonho, sabia e queria muito, muito mais. Queria vê-la feliz, dar-lhe presentes, levá-la para viagens, apresentá-la um mundo até então desconhecido para ela, menina com muitas vontades e muitos desejos, mas ainda presa a velhos costumes e conceitos. Aos poucos, juntos, eles foram desmistificando tudo, quebrando as arestas, apagando as dúvidas, sempre com o desejo de ser um dia melhores, mais capazes.

Hoje, eles vivem na mesma cidade, viajam, saem com amigos nos finais de semana. Ele continua sendo professor, mas agora de uma faculdade, e ela continua estudando e lutando incansavelmente por seus sonhos e suas vontades. O horizonte mostra-se extremamente aberto para ambos, e as perspectivas são as melhores a cada dia que passa. O esforço, a luta, o apoio mútuo, a vontade de vencer e de ser feliz fizeram com que os dois conseguissem alcançar vôos mais altos, sempre com muita humildade e com muita consciência de que trata-se apenas de um começo de uma felicidade plena que ambos têm construído, dia após dia, desde o momento que conheceram-se, através de palavras como estas, e apaixonaram-se verdadeiramente, há mais de dois anos atrás, há mais de três mil kilômetros de distância.

Os sonhos são sempre possíveis, por mais loucos que eles pareçam ser.

7 comentários:

Drêycka disse...

Nooooooosssa!!!
Que lindo!
Dá pra fazer um livro essa história de vocês. Acreditem, por mais bela que seja, ela só deu certo pq vcs fizeram-na dar certo. Vocês estiveram dispostos e foram sempre corajosos. Parabéns para vocês que deram espaço para o amor e fizeram com que ele acontecesse.

Parabéns, parabéns!!!!

thais m. disse...

nem precisei ler o texto todo pra saber que se tratava da sua historia de amor com a Camilla , vocês foram feitos um pro outro . Sao perfeitos na medida certa. Te desejo muita felicidade, sempre!

ps.: tava com saudades da sua presença lá no meu blog. Volte sempre que quiser Vini (:

beijos.

gabriela marques. disse...

Confesso que na metade do conto previa uma decepção ao rapaz, mas você me surpreendeu, fez um desfecho feliz.
"...O que devo admitir que não me comove, finalizou com um final feliz, e ainda aqueles que só o cinema sabe fazer." < digitava isto até ler o comentário acima, juro. É real esta história? Poxa vida.
Você é a prova que o amor existe. Há muito não acredito em histórias assim. Diga-me se é verdade e me chocarei. Espero que sejas real, você merece ser feliz. Todos nós merecemos encontrar um amor de verdade!

Vini, suas belas palavras em meu cantinho me deixaram lisonjeada, ainda mais partindo de ti, alguém que admiro a escrita, o talento, os feitos.
Obrigada pelo carinho.
A propósito, lembra que disse que enviaria seu texto aos meus amigos?(aquele do ano novo. Não esqueci da autoria, está bem?)
Eles adoraram, agradeceram a mensagem, e espero que eles se empenhem em arrumar o tal espelho neste 2011...
Você tem talento, Vini. Gosto do que escreves.
Imenso beijo, ótima semana!

gabriela marques. disse...

Oi Vini, não publiquei seu comentário lá em meu cantinho, mas já lhe adicionei sim no msn.
Imenso beijo

Kamilla Barcelos disse...

Como eu sei que essa história é sobre você e a Camilla, a cada linha que eu ia lendo, eu me emocionei muito. Eu sabia a história contada bem rapidamente por vocês dois, mas não sabia de muitos detalhes que no seu texto você contou. É maravilhosa a história de vocês!

Beijos

Marcela Fernanda disse...

"um sentimento, quando é puro e verdadeiro, tem, de fazer com que as coisas simplesmente aconteçam"

O que mais dizer de uma saga como essa?! Muito lindo. Abraço

HSLO disse...

Muito bonito texto...deveria ter uma continuação.


abraços
de luz e paz

Hugo