sábado, 31 de maio de 2008

Carta a Deus


“People killin', people dyin'
Children hurt and you hear them cryin'
would you practice what you preach
or would you turn the other cheek
Father, Father, Father help us
send us some guidance from above
'Cause people got me, got me questionin'
'Where is the love”
(Black Eyed Peas)


Não se trata de uma oração, ou muito menos um pedido de milagre. Também não vou fazer grandes questionamentos pelos quais a humanidade se degladia há milênios. A razão deste humilde expediente é algo muito mais simples: a busca da compreensão de algo que deveria ser o fator fundamental para a existência neste planeta. O que vou Te perguntar é algo muito menor que Tua imensa sabedoria: gostaria apenas de saber onde está o amor!

Quando pequeno, aprendi nas aulas de catecismo que devemos amar os outros como a nós mesmos. Segundo meus professores, foi essa a herança divina que Tu deixaste para nós, foi isso que pregaste durante a revolucionária e providencial passagem do Teu filho por nosso planeta. Desde então, ouço que quase todos Te amam, quase todos buscam em Ti a solução de todos os problemas, anseios, dores, mágoas e desilusões. Assisti ao nascimento de diversas religiões, diversas interpretações da palavra que dizem ser Tua, e vi inclusive, pessoas se matando em Teu nome. Todos eles, cada um a sua forma, gritam num som uníssono a necessidade da complacência, da compreensão, da tolerância, enfim, do amor ao próximo. O mundo inteiro se transformou por causa das coisas que deixaste aqui conosco, da cruel morte do Teu filho para que nossos erros fossem perdoados, para que pudéssemos um dia estar junto a Ti, em Teu colo, e assim, viver a eternidade de nossas almas, em paz.

Mas apesar de tantos gritos, tantas aclamações, tanta fé e tanto discurso, não consigo enxergar em quase nada aquele amor do qual falavas, não consigo ver gestos de companheirismo, perdão, compreensão, e não consigo vê-los nem mesmo nestas mesmas pessoas que utilizam-se de Teu santo nome para justificar atitudes que não condizem com o que nos ensinaste. Por vezes, chego a acreditar que estou enlouquecendo, porque apesar da crescente evolução na crença à Tua existência e aos Teus ensinamentos, vejo evoluir também todos os malefícios que são contrários ao que tu querias. Vejo a fome atingindo cada vez mais pessoas, as drogas destruindo cada vez mais vidas, o desamor, as guerras, a inveja, a mesquinhez, a falsidade, o egoísmo. Tudo isso progride tão assustadoramente quanto a crença em Tua santa existência. Ao tempo em que cada vez mais pessoas apegam-se a Ti, aumenta progressivamente o número de seres humanos que morrem à míngua por falta das coisas mais simples para a sobrevivência, enquanto outros, que também dizem crer em Ti, deitam suas cabeças em seus travesseiros e dormem uma noite tranqüila e feliz, prontos para acordar no outro dia e lutar para conseguir cada vez mais e mais.

Dói-me verdadeiramente, querido Pai, a crescente incapacidade das pessoas de amar de fato, e pior, conduzirem suas vidas como se o mundo se restringisse apenas ao seu núcleo familiar e aos seus amigos, não importando a dor alheia. Dói mais ainda Senhor, ver filhos Teus louvando a Ti, e logo em seguida, ao sair de suas igrejas ou seus templos, não tomarem sequer conhecimento de um ser humano mal vestido que clama por um prato de comida na rua. Eu não vou a igrejas, não freqüento templos e não me apego a religiões, pois acho que Tu és muito maior do que meras interpretações de uma mesma palavra. Tento fazer a humilde parte que eu creio que me cabe no meu dia-a-dia, e embora não suficiente, tenho a consciência de que faço o que posso dentro de todas as minhas limitações de não ser nada além de mais um ser pecador e errôneo, como todos os que estão a minha volta, religiosos ou não. Revolta-me ver como as pessoas escondem-se atrás de religiões e da Tua palavra na inútil tentativa de mostrarem-se melhores, mais santos, mais filhos Teus. Não quero ser melhor ou pior que ninguém. Quero apenas buscar a forma que imagino ser a mais correta de viver, e para mim a felicidade está presente na minha capacidade de tornar meus irmãos felizes também, seja de uma forma ou de outra.

Perdoe-me meu Deus, se eu estiver errado, de coração, perdoe-me. Sei que não tenho o poder de mudar o mundo e sei que não posso transformar as mentes das pessoas que aqui vivem, mas lamento chegar à conclusão de que não aprendi a viver neste planeta que criaste. Não sei sentir-me feliz enquanto milhões e milhões de irmãos meus, Teus filhos assim como eu, sentem fome, sede, dor e tristeza. Não sei fechar os olhos a tanta falta de companheirismo, a tanta miséria, a tanta injustiça social e moral, a tanta mentira e falsidade. Não posso aceitar que este mundo que construíste com tanto carinho e tanto amor se transformou num insólito e cruel jogo de interesses, onde a roleta roda contra todas as coisas que Tu disseste, e onde quem tem muito terá mais, e quem tem pouco, terá menos ainda. Meu coração não me permite entender os motivos de tudo isso. Então Senhor, venho a Ti, tomando a talvez insana ousadia de questionar-Te: Onde está o amor que nos ensinaste incessantemente? Espero que este amor não tenha morrido naquela cruz, junto com Teu filho. Por favor, diga-me que ele também ressuscitou e um dia, mesmo que distante, estará verdadeiramente presente no coração de todas as pessoas, para assim podermos realmente transformar as nossas vidas e o nosso mundo e tornarmos-nos seres humanos de verdade, filhos Teus de fato e de direito!

16 comentários:

Ianara disse...

Eita, deu uma mudada na 'cara' do seu blog.
ando tão ocupada, que faz um bom tempo que não venho por aqui.

um abraçoo ;***

Teresa disse...

meninoooo

que carta foi essa, hein?

tomara que Deus arranja um tempinho para lê-la, porque eu queria muito que ele lesse.

parabéns

=*

jeeh disse...

a carta ta grande, mais ta muito linda.! Nos ensinaram a amar-mos uns aos outros, mais não é isso que acontece ^^
e a maioria de nós só procura a Deus quando estáá passando por maus bocados :p
um abraço querido amigo '

♥ Bruh Waltrick ♥ disse...

num tenho msn, quer dizer, tenhu mas nao entra. me manda os nomes de sites por comentario mesmo
http://comenteparaamaisa.blogspot.com/

mundo a fora disse...

Olá! desculpa não ter vindo antes + tava super ocupada aki fazendo um artigo de monografia para um cliente, enfim... adoro seus comentarios e já te sinto uma amigo... parceiro com certeza, vou colocar teu link no MUNDO A FORA

brigada e sucesso!

Nadezhda disse...

Onde está esse amor né? Espero que ele não tenha morrido na cruz, como disse. Não sei se é utopia demais, mas quero acreditar que um dia as pessoas melhorem, nem que seja só um pouco.

Ficou legal o layout novo ;)

Jéssica V. Amâncio disse...

AH! Se todos fossem igual à você, se abrissem os olhos para ver o que dizem acreditar e o que fazem para demontrar isso!
Concordo com tudo issoo, e olha.

Você com certeza é a resposta da sua própria pergunta!

Mew, você tem muito conteúdo, e sabe usar as palavras! Está faltando pessoas assim no mundo,que bom que te econtrei.
Não somos os únicos.!

Nina Ferreira disse...

Amar incondicionalmente não é terefa fácil não, viu. Nem é coisa que se aprenda, é uma circunstância e sorte daquele que tiver quem o ame assim.

Abraço!

• Camila disse...

Arrasou com a cartinha para o papai do céu eim
!
ahhaha
amei... =]

ah rotina é um saco mesmo!
akdhfpaosidur
mas fazer oque

Camilla disse...

Linda a carta!!
Totalmente sincera, muito bonita mesmo...

Como disse a mocinha aí em cima, tomara que Deus tenha um tempinho para ler!!

Beijos!!
(E tá linkado =D)

Camilla disse...

Gosto muito de falar sobre o amor. Não esse amor medíocre que reina por aí. Muitos dizem "eu te amo" sem ao menos saber o que significa amar. Amar é mais que falar palavras da boca pra fora. Mas hoje, o amor se tornou uma palavra tão mal usada, que precisa ser novamente definida, pra se tornar novamente verdadeira. E eu também me pergunto em que direção estamos caminhando, o que será da humanidade, que cada vez mais pensa somente em seus interesses, não enxergam nem um palmo diante do próprio nariz, pensam que o mundo é somente a redoma em que vivem. O mundo é muito mais triste e doloroso do que as nossos humildes conhecimentos. Nós não fazemos idéia da capacidade que o ser humano tem de ferir o próximo ao invés de estender a mão. O nosso mal, o meu mal, é olharmos para a humanidade como simples espectadores, como se não fizéssemos parte dela. Mas sei lá... quanto mais eu penso nisso, mais eu fico mal. Porque somos tão acomodados, tão passivos diante disso tudo? Porque não fazemos nossa parte? Porque? Porque? Porque? São tantos os questionamentos. Amor perfeito uns pelos outos, nenhum de nós teremos,pois esse, só Deus e seu filho tem por nós. Mas nós poderíamos cultivar melhor o amor fraterno, o amor ao próximo. O mundo seria bem melhor se cada um de nós saíssemos dessa ignorância, dessa alienação e mediocridade e fizessemos um pouco mais do que pensarmos somente no nosso umbigo.


Lindo texto Vini. Nem preciso dizer o quanto...

Bjao!

T disse...

Seu blog é diferenciado
e você trata de certos assuntos de maneira muito especial.
tô adorando passar aqui!
fica bem :*

Flávia disse...

Eu já tinha falado pra vc, mas vou escrever aqui... esse é o tipo de reflexão que a gente deveria fazer ao menos uma vez a vida. Já pensou como seria mais fácil a convivência nesse mundo?

Amei a carta. Vou mandar uma cópia dela pro Paizinho lá de cima também :)

beijo!

Ana Luíza disse...

Simplesmente adoreiiiiiiiiiii esse conto... E pode acreditar q/ vc tbm me deixa presa na tela do computador c/ suas palavras viu???
PERFEITOOOOOOO

XEROOOOOOOOOO

Samantha disse...

Oi, migoooooooo!!!

Adorei seu texto e o seu blog, muito legal!

Beijão!!

Vampiric Rose disse...

A Camilla me mostrou esse post e eu resolví ler. Na verdade, você tem sim o poder de mudar o mundo, você fez a sua parte agora, com esta carta, tenho certeza que muitas pessoas que não comentam viram este post e algumas se sentiram até tocadas. Se vc continuar levando a sua mensagem pelo seu blog, persistindo no seu ideal, certamente mtas pessoas ainda serão tocadas por tuas palavras. E sua parte não será vã.