sábado, 14 de junho de 2008

Fulgaz

"Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia
tudo passa, tudo sempre passará"
(Lulu Santos)

Abriu os olhos. Sentiu neles a claridade dos primeiros raios solares que anunciavam a chegada da mais linda manhã de toda a sua vida. Olhou ao lado, e ela estava lá, sorrindo num sono reparador e feliz, talvez sonhando profundamente com o futuro maravilhoso que os esperava. Ele podia ainda sentir o doce perfume que vinha daquela pele macia da qual havia se embebedado durante toda aquela noite que por muito e muito tempo habitou apenas os seus mais utópicos sonhos.

Lembrava-se agora, deitado na cama, do dia em que a vira. Ambos tinham dezessete anos de idade, e freqüentavam um cursinho pré-vestibular barato. Desde o primeiro dia de aula ele havia notado aquela beleza adolescente que encantava-lhe os olhos. Tinha cabelos loiros cacheados, olhos claros, lábios chamativos e um corpo jovial que fazia com que ele sentisse todos os seus hormônios aflorarem loucamente. Depois de dois meses de aulas, pôde constatar que pela primeira vez em sua vida estava de fato apaixonado.

Embora a indiferença dela, sempre em sua posição de garota dedicada aos estudos, ele sentia-a cada vez mais perto. Da parte dele também não havia qualquer atitude de aproximação, hora devido à sua timidez, hora devido ao embrulho estomacal que acometia-lhe sempre que pensava em dirigir a palavra àquela garota. Podia ver outros rapazes se aproximando, conversando com ela, e aquilo fazia com que ele chorasse de ódio, revolta e tristeza. Sentia um ciúme quase doentio dela, mas sabia que não havia meios de transmitir tudo o que gostaria, afinal, estava quase conformado com o fato de que ela jamais seria sua de verdade. Por diversas vezes ensaiou discursos que nunca seriam ditos, escreveu cartas de amor que nunca seriam entregues e sonhou sonhos que nunca se realizariam, enquanto ela mantinha-se lá, linda, perfeita, deusa, e indiferente.

O tempo passou, e após aquela época do cursinho, nunca mais a vira. Também nunca haviam se falado durante todo o tempo em que ele havia mantido-a em seus pensamentos mais platônicos, no fundo reconhecendo a cruel realidade de que aquele amor jamais aconteceria. No entanto, dias se foram e ele jamais foi capaz de esquecer aquela arrebatadora paixão adolescente. Possuiu várias mulheres, namoradas e até noiva, mas guardada no mais escondido recanto de sua memória estava aquela garota de cabelos loiros que nutrira todos os seus sonhos de adolescente.

Mas a vida os levou ao reencontro. Quinze anos depois daquele cursinho pré-vestibular, numa fila de banco, ele foi surpreendido com um toque em suas costas que fez seu coração parar. Lá estava ela, mulher, mais linda do que nunca, sorrindo para ele. Após os inéditos cumprimentos, ela esclareceu que reconheceu-o de imediato, e apesar deles nunca terem sequer se falado, resolveu ir ao encontro dele. Conversaram bastante sobre coisas banais, formatura, profissão, trabalho e relacionamentos. Soube que ela havia se separado do marido, porém não tiveram filhos. A partir daquele dia passaram a se encontrar frequentemente. Apreciavam de verdade a companhia um do outro, e entre jantares, almoços e piquiniques fora de hora que ele inventava, o apego afetivo foi inevitável. A voz dela era o som mais lindo que seus ouvidos já ouviram, seu olhar penetrante, sua postura divertida, seu andar elegante, seu sorriso meigo... tudo fazia com que ele se sentisse o mais abençoado e feliz dos homens. Começaram a namorar, e tudo era simplesmente perfeito.

Aquela havia sido a primeira noite que passaram juntos, e ele se sentia num mar de rosas o qual ele nunca imaginou que poderia um dia estar. Se havia amor verdadeiro, certamente era aquilo que agora explodia-lhe o peito de tanta felicidade. Deu-lhe um beijo na testa e foi à cozinha para preparar um romântico café da manhã e comemorar aquele momento que seria eterno. Voltou ao quarto assobiando uma canção de amor e segurando uma bandeja repleta de sonhos, planos e realizações. Sentou-se à beira da cama, e ela ainda dormia, e sorria. Quis acordá-la com um beijo, mas aquele beijo não lhe foi correspondido. Ele perdeu a respiração, assim como ela não mais a tinha. Gélida, impassível e feliz, ela jazia morta no leito de seu amor mais platônico, surreral, eterno e verdadeiro.

31 comentários:

Nadezhda disse...

Como acordar de um sonho bom,e ver que foi apenas um sonho!

ótimo texto ;)

mundo a fora disse...

Tem selinho pra vc no MUNDO A FORA,

bjoka

Camilla disse...

Deu vontade de chorar, as palavras fugiram e eu nem sei o que comentar.


:(


Lindo!

Dani disse...

Gente, como demora tanto pra viver um amor e ele se vai assim...
Lindo conto Vini =)
Bjooo

Letícia Martins :) disse...

sinceramente ? nunca vi nada igual. to começando no mundo do blog e te achei :d

beijos ;]

Nina Ferreira disse...

Ui! Texto muito bom! Como são todos os textos com finais surpreendentes. Muito bem escrito, como sempre.

Dá uma passada no meu blog novo =D:
http://acrossalltheuniverse.blogspot.com

Idylla disse...

Parabéns, q texto heim...q história linda, romântica, cheia de mistérios e triste!!!
simplesmente adoreiiiiiiiiiiiiiiiii..........
mas pelo menos foi um amor de verdade q n vai sair nunca da memória dele...

Beatriz disse...

Hoje eu estou muito sensível às histórias de amor com finais tristes...

Ficam sorrisos e estrelas enfeitando o teu sonhar e um beijo no coração!

Luifel disse...

Kra, curti o conto.

É bem verdade isso mesmo. Quando nos damos conta do amor, ele já foi. Isso me fez lembrar de um filme que assisti a uma cara, mas q ficou gravado, velho...se eu não tiver enganado chama-se "Antes que termine o dia". Vale a pena assistir e tem tudo a ver com esse seu post.

Abç.

Jeeh disse...

Oi amoor, voltei do hiatus, nao conseguii ficar muito tempo longe do meu blog & dos meus queridos amigos blogueiros como voce :)amo muito tudo isso.vii, que cont mais lindo, só nao gostei do fnal, ela morta na cama, pena que tudo nao passou de um sonho. beeijinho amore bom domingo :*

Ariana disse...

Texto apaixonante!
Perfeito!

Beijo*
Sonhos são sempre bons!

T disse...

adorei o post
tem presente pra você no meu blog :*

Camilla disse...

Lindo!!

Do começo ao fim =)

○Cámila disse...

Eiiii que susto alfdhaspoasiru
noooossa.. hahaha meio triste ne!? =]

Ah, obrigada por elogiar meu alto astral! hahahahaha
beijo

Camila disse...

Nossa Vinicius... que lindo!
Comovente e apaixonante.
Quase chorei... final triste é muito ruim...
=/
Beijo

Tudo ou nada ... disse...

Literalmente fui ao céu e cai de cara na terra. Seu post foi perfeito. Me levou a reflexão de que tudo pode acontecer a qualquer momento, por isso temos que aproveitar cada segundo da vida.
Abração

Zek disse...

Acabei de conhecer teu blog, gostei, bem diversificado.....
voltarei mais vezes !!
Abs

Patrícia disse...

Adorei o texto...
Tem presente pra ti la no meu Doce Cantinho
Beijos

○Cámila disse...

tá tá
vou contar hsitorias do peter pan
que é mais legal
ahhaha

ADOOORO ELE

Ni ... disse...

O clima pro romance perfeito apesar do imperfeito da separação...

Gostei demais moço...

beijo

Carmim disse...

Nossa, lindo, intenso e triste!!

Beijo.

Jeeh disse...

Oi vii, valeu pela forç, vou precisar mesmo de boas notas, em matematica principalmente,rs
e ai o que achou do novo lay! gostou mesmo?! rs
cade voce que nao entra mais no msn,saudadees
te adoro amiigo, escritor de blogs preferido ;}

○Cámila disse...

Òtima semana FRIIIA pra voce haha
pq aqui onde eu estou tá tãoo frio1 =///

Nanita disse...

Quem perdeu a respiração por um segundo foi eu ao final desse belissimo, tocante texto que acabo de lêr. Que história hein? Emocionamente! Creio que o mais importante é que ele viveu momentos mágicos com ela, o sonho dele fez-se verdade. Ela partiu mas as lembranças ficaram. :)

○Cámila disse...

No fim da história vc saberá se é auto biográfica ou não

xD

Teresa disse...

ainnnnnnn, meooo Deusssss hehehe

que texto mais lindo sobre o tal do amor platônico!
mas quem nunca teve 1, que atire a primeira pedra.

=*

Olirum disse...

estou incrédulo com seu texto, muito bom, as vezes o destino nos reserva momenhtos especiais que não são para serem re-vividos e sim para serem relembrados.
Parabéns pelo texto e pelo blog.

Abraço

Jeniffer Santos disse...

nossa...
eu super empolgada aki...com um sorriso no cantinhu da boca...
mas sei lá qdo vc falou ae do café...eu logo pensei q qdo ele voltasse ela já teria ido embora ou algo assim...
e olha vc me surpreendeu...
heheh!
mas lindo conto...
parabéns!
beijos!

Lizzie disse...

Deu dorzinha no peito. Não quero nem imaginar...


Triste. Muito bem escrito, mas tão triste... :'(


Beijocas. Saudades. Voltei com o blog. :)


www.lizziepohlmann.com

Idylla disse...

Oi Vini....tinha ganhado um selo e repassei p vc, deixei ate postado la no blog seu nome, mas percebi aki qndoo entrei agora q vc ja tinha ganhado =/
mas n tem nada n, o q vale eh a intenção!!!! bjoooooo =))

*Raíssa disse...

Nossa, lindo o conto! Achei o final muito trágico, porém supreendente.
Adoro essas histórias de reencontros inesperados :)

Beijos