segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Mais Uma Carta

É uma mistura de ódio com resignação, de raiva com certeza, de dor com tranquilidade! Sim, difamam porque fiz-me passível a isso, porque vivi e busquei em cada segundo a mais profunda sinceridade à qual meu coração poderia alcançar. Admito, ele ás vezes se engana... ou talvez não tivesse sido ele, e sim o meu cérebro! Os dois estão em conflito permanente, sempre foi assim... mas eis que no momento em que finalmente eles se encontram em algum recôndito do meu ser, e decidem juntos traçar os planos pra'quela felicidade que eu tanto procurei, aparecem-me de novo, as tais "forças externas", a difamar. 

Mas eu não me importo, mais uma vez, me calo. Porque não há palavras capazes de responder tamanhos absurdos... ao menos não no meu vocabulário. Muitas vezes é preferível silenciar e ausentar-se, a tentar encontrar meios de revidar alguma atitude ou postura inadequada e infantil. As pessoas apesar de dizerem-se sempre compreensivas, quase nunca conseguem sair de dentro de si mesmas e encontrar no mundo do outro as razões que procuram para justificar alguma coisa. Primeiro que ninguém é dono de ninguém, de modo que essas justificativas tornam-se opcionais... depois que buscar no outro a razão para algum fracasso, isso sim não passa de uma célebre covardia dos que não têm mais nada a oferecer, a não ser a discórdia e o egoísmo. 

E infelizmente são nas horas mais difíceis que esse senso de "revolta" aparece. Tenho vivido muita coisa, mas existe algo que ainda me impressiona demais: a capacidade das pessoas de serem amigas num dia e inimigas no outro. É tudo uma questão de conveniência, mais nada! É uma pena.

Mas para todo contratempo, há uma recompensa, e apesar de tudo, eu hoje estou feliz. Vivo um sentimento mútuo de compreensão plena e sinceridade, e não preciso mais me esconder de quem eu verdadeiramente sou. Aquela antiga batalha entre cabeça e coração se transformou num abraço uniforme e caloroso, entre duas forças que uniram-se, como deve ser, para guiar um futuro que certamente não será fácil, mas com certeza será vitorioso.

Portanto, aos que assim querem fazer, gritem, xinguem suas dores, e não me esqueçam mesmo, porque isso realmente me faz bem! Gastem seu tempo a enviarem-me palavras de repúdio, que eu gasto meu tempo em fazer delas mais um motivo para que eu siga o caminho que eu escolhi traçar... é assim, ama quem pode!

21 comentários:

Mariana disse...

Ui....

Melhor coisa a se fazer nestes momentos e transformar tudo em uma bela de uma liçao...

Sairemos melhores das pancadas...

Machucados, porém mais fortes...

Jacinta Dantas disse...

Oi Vinícius,
primeira vez que passo por aqui e, de cara essa "carta", mais uma?
Pois é, às vezes rio dessas "armadilhas" que as pessoas nos pregam. E ai, a gente vai vivendo, vivendo...

Carmim disse...

Sempre existirão motivos para que nos sintamos indignados ou injustiçados, mas o fundamental é manter esse tipo de postura firme e consciente do que realmente é importante!

Beijo.

Srtª Elis disse...

nossa nino sempre com belos texto tu escreve muito bemmm
e quando diz:a capacidade das pessoas de serem amigas num dia e inimigas no outro. realmente e melhor nem parar pra pensar nestas coisas como o ser humano pode ser tão mixa em certas ocasiões...
sinto falto de tu lá no quse viu olhe naum desaparece não viu garoto xerooo!

Quase Trinta disse...

Também escrevi uma carta hoje e publiquei, mas por outros motivos..
Mas uma pergunta que vc deixou é a que faço todos os dias, como alguém pode ser amigo e no outro virar inimigo, como podemos namorar alguém e no outro essa pessoa fingir que não existia.
Que tipo de amor, q tipo de amizade é essa??
ISSO ME REVOLTA PROFUNDAMENTE

B i α disse...

Poxa Vinícius, obrigada! Me sinto lisonjeada com o seu comentário. Foi realmente muito gentil da sua parte comentar sem eu ao menos pedir.
Quanto ao seu post, sinto as mesmas coisas que você mas percebo que também estou errada. Várias vezes ignorei, virei a cara e prefiri fingir não ver uma pessoa. Na maioria dessas vezes, há razões ao certo. Não costumo fazer as coisas do nada.
Você se expressa bastante bem. Parabéns!

Nunca é tarde para ser feliz! disse...

Oi Vinicius!!! Infelizmente, pessoas são humanas e às vezes nos decepcionamos com elas mesmo!!! Mas certo está você, não mude por causa dos outros... realmente: "Ama quem pode"!!! rsrsrs
Bjs

Camila disse...

Aiii eu me desestressei eim!
fui ao shoopping almocei e depois namorei MUITOOOO

beijão

paula barros disse...

Percebo no seu texto uma reflexão amadurecida. Onde os momentos da vida ensinam. Mas ensinam para aqueles (feito você), que refletem, analisam, se analisam, e buscam entender e se entender. Não é fácil. Você é jovem. E muitas e muitas vezes precisará agir e pensar assim. Mas quando temos este discernimento, as vezes nos desvíamos um pouco de nós mesmo, erramos ou somos alvos dos erros, mas tendemos a voltar ao nosso eixo. A serenidade nos ajuda nos diversos momentos. Desde a extrem alegria, ou extrema triste, para que elas não nos tire do caminho.

Acho que a linha que você está adotando lhe fará bem. E engrandecerá muito mais seu lado espiritual e emocional.

Siga firme. abraços

Jacinta Dantas disse...

Ei Vinícius,
já postei o texto feito a várias mãos. Dê uma olhadinha como ficou.
Brigadão pela sua participação

Camilla disse...

Deixe que digam, que falem, que esperneiem. Ninguém tira de nós a felicidade ganha com as pessoas realmente importantes em nossa vida.

Nada vai tirar!

Eu amo você!

Nadezhda disse...

Meu cérebro e meu coração não se dão muito bem!

;)

Flávia disse...

Gente... não consegui deixar de me perguntar quem foi que despertou isso em vc...

Besos :)

Camila disse...

Ama quem pode e quem tem coragem! POis amar exige coragem, né?!

Quanto a fase difícil, conte com sua amiga mineira, ok?!

Grande beijo

Camila disse...

Hahahahahah eu vou ver com meu cabeleireiro pra ver o que ele acha melhor!
eu quero fazer algo diferente sabe!
Sei lá!

beijão

Dandara disse...

Oi querido,

Em primeiro lugar, muito obrigada pela "estrelinha" deixada em meu blog! Fiquei muito feliz com suas palavras. É que as vezes a gente não tem certeza se o que escrevemos é tão transparente como sentimos. E vc me trouxe essa convicção (naquele post)
Agradeço-te ainda, por ter me linkado. Será sempre bem vindo. =)
No tocante a sua publicaçao, nossa! Por quantas vezes eu me deparei com tais justificativas. Me lamentei, repudiei e no fim das contas, fiquei por cima. Tenho sempre tentado ser melhor do que as pessoas pensam poder fazer de mim...
Fragmento perfeito:
"Muitas vezes é preferível silenciar e ausentar-se, a tentar encontrar meios de revidar alguma atitude ou postura inadequada e infantil."
Bjo enorme pra vc, to te linkando tbm.

=******

Luifel disse...

Cara,

Amar exige muito mais que a razão, exige o sentimento, abnegação mas as pessoas ainda não sabem disso.

Compreensão é algo relacionado a compaixão que é algo compartilhado, algo que dificilmente acontece hj num tempo onde todos nos preocupamos somente com os nossos proprios narizes.

Ainda também acho valido o que disse sobre usar todos as contrariadedas como degrau para seguir em frente. Esse é o caminho, tenho aprendendo isso na marra, infelizmente.

Abção.

déia disse...

oieeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee
viniciusssssss

qto tempo menino q n apareço aki

como vc ta? =D

passando para te convidar a participar da arvore de natal da blogosfera q to promovendo

e aproveitando tbm pra te pedir q mude o endereço do blog =D

se caso n tenha mudando

bjoooooooooooooooooooo

saudade de vc menino

T disse...

tá tão lindo aqui, e tá tão mais doce. Gostei muito. E não some do msn não, querido!
Bjs

Kamilla disse...

Concordo q é covardia culpar o outro pelo nosso fracasso. Infelizmente eu faço isso mto!
Esse seu texto ficou d+!

 Fabíola Weykamp disse...

Vinícius, desculpa minha ausência... aos poucos vou retomando as leituras perdidas. E agora, te passo o novo endereço do meu blog: www.algumasletras.wordpress.com
é o mesmo blog só que em endereço novo!
Beijos, voltarei com mais calma com a certeza de que terei, como de costume, uma ótima leitura a minha espera.