quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Comunicando

Antes de iniciar este texto, quero deixar claro que não é intuito meu causar polêmica de qualquer espécie com quem quer que seja, visto que busco e prego sempre o respeito a todas as pessoas e entidades, desde que honestas e idôneas, porque creio que somente assim podemos alcançar as virtudes tão ausentes no mundo atual. Porém, sinto-me no dever de protestar, por assim dizer, com relação a algumas máximas que tornaram-se clichês na nossa sociedade. Refiro-me a aspectos até simplórios, mas que incomodam-me verdadeiramente.

Num determinado momento, estava eu conversando com uma amiga no msn, e começamos a trocar idéias a respeito de música e gostos musicais. E quanto a isso, bem como com relação a outras coisas a exemplo de religião, política e futebol, existe uma regrinha com fins de manter a socialização das pessoas, que diz que estes assuntos não são discutíveis, e para ser sincero, isso me irrita muito. Sou da opinião, e tentarei mostrá-la aqui, de que todo e qualquer assunto é perfeitamente discutível, desde que as pessoas tenham argumentos suficientes para tanto. Mas tenho consciência de que além dos argumentos, é preciso equilíbrio e sensatez. Digo isso porque de fato torna-se impossível discutir música, por exemplo, com alguém que desconhece até mesmo o real significado desta palavra. E por incrível “coincidência”, são exatamente essas pessoas que adoram ouvir o “creu”. É mais complicado ainda discutir religião com pessoas que deixaram que o fanatismo religioso tomasse conta de seus cérebros de forma que julgam até de hereges qualquer um que os conteste, como se as religiões fossem tão perfeitas a ponto de tornarem-se incontestes. Política, não é simplesmente discutível. Creio ser absolutamente necessário o debate político, o choque de opiniões, mesmo porque absolutamente tudo ao nosso redor é política, tudo mesmo, sem exceção. Só que, obviamente, é preciso conhecimento para abordar tais temas. É preciso base estrutural e intelectual para abordar assuntos tão polêmicos sem que a discussão não se torne um conflito corporal. E estes aprendizados estão passando a nossa frente a todo momento, através da televisão, da internet e de todos os outros meios possíveis e impossíveis dos quais nós, jovens, tanto nos apropriamos e nos gabamos de saber lidar com eles. Será mesmo que sabemos de fato conviver com tudo isso, ou a nossa impotência intelectual é tamanha a ponto de cegar-nos e restringir nossas vidas às novelinhas da rede globo ao maldito Big Brother Brasil e ao orkut?

Estou expressando minha discórdia com relação a estes aspectos, porque não desejo que minha geração seja de fato uma geração alienada e totalmente direcionada às coisas mais fúteis possíveis, conforme sinalizei no texto passado. Eu quero que sejamos jovens sim, que saibamos nos divertir, que possamos ir às baladas e namorar muito, mas que saibamos também buscar nossos direitos de cidadãos, e para isso precisamos sim discutir política. Temos que parar de continuar sendo “rebeldes sem causa”, reclamando de tudo e de todos e nada fazendo para tornar-nos melhores do que aqueles aos quais criticamos. Que possamos também sentar numa mesa e conversar com qualquer pessoa sobre qualquer tema, sem que para isso precisemos trocar farpas ou cometer assassinatos. Eu quero uma juventude que saiba seu espaço no mundo e que busque este espaço incessantemente, ao invés de acreditar que “gosto não se discute porque é igual a cu, cada um tem o seu”. Esse tipo de afirmação só demonstra a fraqueza dos argumentos e a nossa incapacidade de fazer uma das coisas mais simples, mais antigas e mais necessárias da humanidade: comunicar. Precisamos aprender a conversar uns com os outros e com os mais velhos, e com os mais novos, a trocar idéias, a dividir experiências sem precisar fechar os olhos para as coisas que porventura gostamos e não são as ideais ou mais corretas. Aprender a gostar sim do que é bom, mas do que é bom MESMO, e tem muita coisa boa, e aprender principalmente a fugir da alienação e do fanatismo religioso, cultural, musical, ou seja lá do que for. Toda e qualquer espécie de fanatismo é terrivelmente prejudicial ao bom senso, e eu não posso falar por cada um dos que estão lendo estas palavras neste momento – alguns provavelmente estão querendo assassinar-me – mas eu, como jovem que sou, discuto sim futebol, religião, gosto musical, literário, e qualquer outro assunto, não porque saiba de tudo, mas exatamente porque quero aprender mais, e assim ser capaz de fazer a minha parte para tornar este mundo um lugar mais justo de se viver.

“Quero que meu amanhã seja um hoje bem melhor / uma juventude sã, com ar puro ao redor”
(Autor Desconhecido)

24 comentários:

Camila :) disse...

*--* q frase liinda q colocou no finaal :)

Quase Trinta disse...

Acredito que qualquer assunto é "discutivel" desde que saibamos respeitar a opinião dos outros mesmo tendo a nossa.

KaKa Fuinha disse...

AMEM!!!
a merda eh que o povo num sabe e num quer saber...
e assim caminha a humanidade...
aiai

bom, mudando totalmente de assunto, deixei um selo pra vc
:D
espero que goste

Flávia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Flávia disse...

Cara, confesso que eu gosto de BBB. Pra falar a verdade, só perco quando não dá mesmo pra assistir - meu lado voyeur é realmente forte. O que não dá é pra restringir o foco pra vida relevisionada e editada segundo as marés midiáticas e deixar de pôr os olhos na vida real. A gente precisa de umas bobagens de vez em quando, pra desopilar o fígado - mas também precisa lembrar que o mundo não pára, e que ou a gente acompanha o ritmo dele ou fica pra trás.

Beijos :D

Nadezhda disse...

Todo assunto deve ser discutido. Mas o que algumas epssoas confundem é discutir com desrespeitar. Então acabam dizendo que gosto não se descute. Mas eu acredito que deve ser discutido sim, mas mais do que isso, ninguém deve tentar mudar o gosto de ninguém.

;)

paula barros disse...

Vinicius poderia dizer que seu texto está excelente, que concordo com muita coisa. Mas você já sabe que gosto de dizer o que penso, quando me fazem pensar.

Com o tempo, e passando por muitas "discussões", fui aprendendo, não muito ainda, que podemos conversar sobre o assunto e entender o gosto do outro, o momento do outro.(não é fácil, e nem consigo sempre) Quando dizemos gostar do que é bom, "mas do que é bom MESMO", é uma opinião muito pessoal de bom e ruim, certo e errado, e aí já começa os conflitos das relações. Porque o "bom mesmo" para mim, ou o certo, ou o errado, não é para o outro. E quando o outro defende o gosto dele, a opinião dele, ele também está defendendo o "bom mesmo", dele.

Tenho observado nas minhas relações que os grandes conflitos tem sido gerados entre a concepção de certo e errado para cada um.

Vou lhe dar um exemplo. Passei um bom tempo detestando, falando mal do Big Brother. Depois começamos a assistir em família. Único momento em que conseguíamos reunir no quarto da minha mãe, ela, eu, minha irmã, minha sobrinha, minha filha. Então já era uma vantagem. Um momento de reunião, de encontro, conversa paralelas, mas sempre avaliando o comportamento dos participantes, aproveitando para passar aos jovens e ouvindo elas valores éticos e de relacionamento, avaliando o comportamento na casa do big, o quanto é ruim as fofocas que eles faziam, o dizer uma coisa para um e nas costas ter outra opinião.....e assim era um momento lúdico e formando cidadãs, e respeitando a opinião de cada um, mas todos mostrando o seu ponto de vista. E aprendendo com os jovens, sempre.

abraços, desculpe por ficar longo.

*Raíssa disse...

Eu adoro discutir e trocar idéias com as pessoas. Acho que tudo deve ser discutido, mas com as pessoas certas. Só religião que acho que não deve ser discutido com pessoas religiosas.
Eu, por exemplo, tenho uma opinião muito forte em relação a igrejas. Se eu for discutir isso com algum religioso, ele vai querer me bater! Fica impossível discutir certos assuntos com certas pessoas.
Discutir futebol também é algo insuportável hoje em dia, porque não sei o que aconteceu que de uma hora pra outra todo mundo resolveu virar fanático, doente pelo time! Aí você fala um "ai" que contraria os fanáticos e eles já começam um discurso interminável sobre o time deles. ¬¬

Realmente não tenho paciência para discutir os assuntos citados por você com algumas pessoas, fica inviável porque elas não sabem respeitar a minha opinião, que geralmente é forte e contrária à da maioria. As pessoas preferem seguir a opinião da maioria a pensar, isso é triste. Por isso que às vezes eu deixo pra lá.

Beijos

Luifel disse...

Concordo absolutametne com o q vc diz cara!

Qql assunto é discutível, mas o problema é que as pessoas não são flexíveis nas suas opiniões, infelizmente!

Abção!

Idylla disse...

Vini como eh q vc ta???
eu concordo c o q a Nadezdha escreveuu.....
ms gostei muitoo do seu textinho q ker keira, ker n ta sendo polemico...
assim q eh bom haha

parabéns!


bjoo

Camilla disse...

hahahha, acabei de sair de uma discussão musical via msn com um colega, o qual disse pra eu parar de ouvir Legião. Eu sei q calei-o com alguns argumentos que ele não soube como revidar de forma inteligente.

Mas isso me dá é raiva. Por mais que eu respeite a opinião alheia, não consigo entender o pq de alguns gostos. Até agora estou tremendo de raiva...rsrsrs

Mas vc tá certo, isso é discutível e pronto. O ruim é quando a pessoa vem discutir com argumentos de merda, como aconteceu comigo agora. E vc sabe o quanto fico com raiva quando isso acontece.

Ham!

Bjim!

Danielle Alexa disse...

Adorei o seu texto...
você falou muito bem...
tudo pode ser discutível, basta que as pessoas saibam respeitar as diferenças que existem entre cada um de nós, sempre lembrando que não existe o certo, e sim diferentes opiniões e pensamentos.

Camilla disse...

Bom, gosto é gosto né?

Eu particularmente odeio mpb, bossa nova, pagode, axé e bandas emos, mas tem quem goste.

É a tal história: o que seria do azul se o mundo fosse amarelo?

Beijos!!

Ariana disse...

Cada um com a sua opinião né!

Concordo em partes com o que escreveu!

Beijo

Camila disse...

Penso que todos os assuntos são "discutivéis" cabe a cada um respeitar a opnião do outro, por mais dificil que isso seja!
Vini, você é meu "Pensador Realista" favorito.
Beijos

Andréia disse...

se eu fosse essa menina aogra eu cuspia e saia nadando. hehe

e tbm gosto de conversa sobre tudo pelo mesmo motivo que vc. aprender e acima de tudo aprender a respeitar..

beijos

Zek disse...

Tudo podemos discutir, respeitando os pontos de vistas alheios expondo os nossos!!! o problema é chegar neste equilibrio!!

Qto ao " creu "... aí vai minha polêmica opinião.. Que cultura foi injetada na classe E ?? e na D ?? na periferia como um todo??

Pois então, o que esperam que saia dela?

Mas isso é outra discussão!!

Nunca é tarde para ser feliz! disse...

Texto forte o seu... mas é pura verdade, a diversidade de gostos é real, mas muitos não têm preparo para discutí=la!!! Bjs

Ni ... disse...

Gosto muito de te ler...

beijo

Vivian disse...

Bom, é a primeira vez que vejo seu blog mas não me contive e tenho que deixar aqui minha opinião.. Acredito que para esclarecer e mais do que tudo entender o que tanto vc questina e condena, devemos nos lembrar de pq as pessoas agem assim, pq tornam fatos discutíveis em coisas que "não se devem discutir".
A melhor forma de esclarecer isso é olhar ao redor e perceber que a maioria da pessoas não se dão ao trabalho mais de pensar, refletir, formular uma idéia ou pensamento baseado em algo que sabe! Pq eles não sabem...

Vou tentar me explicar com base nos seus exemplos:
Religião,- Bom normalmente a pessoa conhece uma , já ouviu falar como funciona a outra e percebe em outras comportamentos e as vezes o desagrada, então assim, ele cria sua opinião.

A partir do momento que qq pessoa estudar sobre religiões, entender os dogmas de cada uma delas, ou seja o significado que aquilo tem para essa e aquela pessoa, ai sim, vc pode falar que não concorda com tal religião ou tem preferencia.

E se algum dia alguém questionar pq vc gosta ou não, saberá através de argumentos fazer-se entender. Acredito que se nossos jovens soubessem a importancia do conhecimento e qdo utilizá-lo, não responderia NUNCA "gosto é igual bunda" ... ARGUMENTE, EXPLIQUECE, ESCLAREÇA!
São através dessas paravras que nasce o crescimento, a discordãncia, a dúvida e assim gera nossas descobertas...

Vamos gente!! somos capazes de muito mais,não podemos deixar a preguiça nos vencer!!!

Abraço

paula barros disse...

Oi, Vinicius
Passando, olhando.
abraços

Camila disse...

Voce polemico e realista como sempre né!
QUE ACONTECEU QUE NUNCA MAIS ME VISITOU?!
HAHAHA
beijo

Patrícia disse...

Concordo todo assunto pode e deve ser discutivel, o problema é que ainda temos muitas pessoas alienadas, que não sabem ao menos ouvir o outro lado da historia...
Beijos

bel e o seu ChapéuTorto disse...

Cara, muito sensato e verdadeiro o que voce escreveu.
Sempre, tem alguem que ao tomar conhecimento de algum assunto, logo começa a falar o que todos sabem, ou acham que sabe, colocando a mão no fogo por tais definições e ideologias.Parece que discutir, investigar, querer saber mais, não pode. "Se todo mundo diz isso, é porque é verdade."
Poupe-me. E por alienamento de alguns conhecidos, fico calada diante de tais situações para evitar ouvir tudo novamento.
beijo