sexta-feira, 2 de maio de 2008

Um Segundo Para Sempre


Um sorriso estonteante estampado no rosto e um olhar cheio de esperança fizeram-lhe acreditar que aquele momento marcava o recomeço de duas vidas até então sem brilho. Sim, porque a solidão era algo realmente abominável. Acordar todos os dias pela manhã e não encontrar ninguém ao lado era como não encontrar uma real razão para ter acordado. Mas daquele dia em diante, tudo seria diferente. O sol voltaria a brilhar, e por incrível que parecesse, eles estavam felizes.

Tudo foi melhor do que puderam imaginar. Um radiante sentimento brotou em cada gesto desde o primeiro momento, e aquela magia duraria o tempo suficiente para tornar-se indispensável. A vida mostrara-lhes que ainda havia chances para a felicidade, e embora houvesse adversidades, eles decidiram lutar, e agora estavam sendo premiados por seu esforço.

Um único segundo. Uma mistura de sensações tomou conta dos dois. Nervosismo, alegria, prazer, paixão, medo e ânsia. Assim mesmo, tudo junto e muito intenso. Uma equação matemática composta por vários fatores, que tinha como resultado uma única palavra: amor. E essa não se traduz, não se divide e não se equaciona. Tudo por um único segundo, que se estenderia pela eternidade, pois eterno é o amor. Estiveram longe, mas nunca deixaram de estar perto. Suas almas uniram-se desde o primeiro momento em que se conheceram, mesmo sem haver motivo real ou mesmo explicação para esta união. Esqueceram as explicações e os motivos, e seguiram. Aquelas mãos entrelaçadas pela primeira vez foram o símbolo de uma aliança que misturava diversos sonhos, e ao tocar-se, eles tiveram a certeza de que cada um desses sonhos se realizaria. E de mãos dadas, sorriso nos rostos, pensamentos unidos e muitos sonhos, caminharam.

3 comentários:

Pluft! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Teresa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Flávia Fabri Cesário disse...

O que é o amor? O que ele faz com a gente? Nenhum ser humano é capaz de exemplificar, de qualificar e quantificar o que este sentimento provoca. Só é possível definir que é bom demais!
Beijos! :)