terça-feira, 8 de junho de 2010

O falso sucesso incomoda


Ouve-se o tempo inteiro o velho jargão de que o sucesso alheio incomoda. Não julgo, sob hipótese alguma, a veracidade desta máxima, visto que cada caso é um caso, e como já pude dizer um dia, "tudo é relativo". No entanto, avaliando a sociedade atual, e refiro-me a todos os seus níveis, leia-se bairro, cidade, estado e país, nota-se que muito mais do que o sucesso alheio, o "falso sucesso" próprio é extremamente incômodo. Explico-me:

Não é raro observar pessoas em nosso meio escondendo-se atrás de dogmas, religiões, posições sociais, sobrenomes, ou conceitos, para esconder a frustração interior diante da própria incapacidade. Paralelamente ao fato de que casos assim podem e devem ser avaliados por psicólogos, é possível entender que várias pessoas não conseguem viver sem aquela sensação constante de incomodar o próximo, apenas para justificar o sucesso que aparentam ter, mas na verdade, jamais o tiveram.

Ter nome, dinheiro, carro do ano, empresas e muitos outros atributos que a sociedade julga como produtos do sucesso, não significa muita coisa. Bem mais que o produto, deve-se conhecer os meios. De que forma tudo aquilo foi conseguido? Como veio a suposta "vitória", os supostos bens? Na maioria das vezes, pessoas com a "síndrome do falso sucesso" escondem-se por trás de algo que é considerado correto, e omitem, oportunamente, sua história, seu passado, seu contexto, porque falar muito é sempre motivo de risco.

Quase sempre estas pessoas não aceitam concorrência, não aceitam desafios e nem o fato de alguém fazer alguma coisa, seja o que for, de uma maneira melhor ou mais correta que elas. Ao invés de buscarem aprender mais, crescer e evoluir, passam a viver em função de denegrir, atacar, ou causar qualquer desconforto àqueles que os "desafiam". Considere-se também o fato de que em sua grande parte, o suposto sucesso veio através de uma generosa ajuda de algum familiar, do governo, ou mesmo através de meios excusos, afinal, não se pode discenir a respeito da personalidade de alguém que se preocupa mais em tentar impedir o crescimento alheio que providenciar seu próprio crescimento real.

Então, é perceptível o fato de que o que incomoda, na verdade, não é o sucesso do outro, mas lembrar que o seu próprio sucesso – quando este de fato existe - não veio por meio de sua competência, e sim através de "auxílios" externos, que podem até ser legítimos desde que não faça o "vitorioso" adoecer mentalmente. Vale lembrar: os fins não justificam os meios.

Um comentário:

Jeeh disse...

Mais um texto fantástico, ein meu amigo? Belíssimas palavras, bem colocadas.
Gosto muito de ver esse seu lado crítico, e tão verdadeiro!
O sucesso é bom mesmo quando é batalhado,conquistado, e quando vem de forma honesta, concorda?
Um grande abraço, Ví!
Vê meu blog e me segue?
Beeijo,
te adoro!!!