segunda-feira, 14 de abril de 2008

Futuro do Pretérito


Por que não disseste?
Que no recôndito de minha alma não haveria tanto espaço para as doces alegrias e a suprema felicidade? Que cada dia deixaria sua névoa presente em meu coração por talvez não ter onde mais deixá-la. Se sabias que os sonhos seriam apenas vagas esperanças de um futuro que jamais existirá, por que me deixastes sonhar?

Era tão bom quando estavas aqui...
Acordar com teu sorriso, ouvir tua voz, sentir teu carinho...
E mesmo nos momentos difíceis, era em tu que estava o melhor caminho!
Por que não foste forte o suficiente – muito mais forte que eu – para enxergar que mesmo demonstrando o contrário, cada entranha da minha matéria clamava por tua presença, sem importar-se com teu estado de humor, tuas palavras por vezes cortantes feito lâminas, e teu olhar que muitas vezes fez-me sentir até mesmo odiado?

Doía!
Mas era a dor da morte que se fazia necessária à vida!
Era o mundo que se tornava minúsculo, para depois explodir como fogos de felicidade comemorando a chegada de um novo ano, um novo século ou uma nova Era. Tu eras minha nova Era! Era a dor que antecipava o gozo de porventura ainda sentir-me vivo, querido ou não, mas de fato, um ser existente. Não importa o quanto doesse, era a dor que fazia feliz, porque “depois da tempestade sempre vem a bonança”.

Mas não veio!
Perdi-me em palavras, sonhos, projetos, mentiras... perdi-me dentro de mim mesmo sem entender e enxergar que na verdade nada havia em mim, a não ser tu!
Sonhos que nunca se realizariam, falsos projetos, doces mentiras.
E tu, estavas ali. Com todos os teus defeitos, e talvez falsos sonhos também, mas ainda assim sorrindo para mim, entre lágrimas que na verdade representavam o fim do único sonho meu que era verdadeiro: tu!

Por que não disseste que na dor habitava a felicidade, e que ela não doeria tanto enquanto tu estivesses ali? Por que não me avisastes que éramos diferentes, mas das diferenças se faz as semelhanças, e o amor verdadeiro só existe quando somos capazes de aceitar, ceder, levantar, continuar e aprender?

E te fostes!
Por minha inteira e tão grande culpa.
Culpa que me apaga o brilho, me leva a paz e me tira os sonhos, mas culpa que também a tens, pois fomos um só. E carregarei até o fim de meus misteriosos dias, futuros ou não, vindos de um pretérito que não foi perfeito, mas existiu.

E amo-te!
No presente que nada indica, e na obscura eternidade que é o futuro!
Por culpa, dor, saudade, felicidade, sonhos, mentiras, projetos, palavras...
Por que não me disseste que amar é na verdade viver, e viver é doer, errar, mentir, sonhar, chorar e sorrir?
Por que não disseste?

7 comentários:

Teresa disse...

tinha q ser estudante de letras mesmo, né?

lindas palavras.
e o texto não é pretérito, mas é perfeito hehehe.

=*

Flávia Fabri Cesário disse...

Vini, muito bonito seu texto!
Adorei!
Tive a impressão de ser inspirado em uma história veridica. É isso mesmo?
Beijos!

Fabiana' disse...

TA LINDO O TEXTO...
CONSEGUI VER UNS MOMENTOS DA MINHA VIDA NELE

bJUS!!!

KaKa Fuinha disse...

nossa... amei
profundo, sincero e bem escrito.
alem de ser poetico sem usar rima.
xD

bjuz
post sempre

Gabriella disse...

Vinicius...já é nome de poeta não é mesmo???

Texto muito bonito,parabéns mesmo!

Gostei da sua sensibilidade...

Poste sempre,sempre estarei por aqui visitando ;)

Lizzie disse...

Tem muita coisa que queríamos que nos fossem explicadas antecipadamente. O problema é que a dor também constrói e perderíamos um pouco do gosto agri-doce que fica na boca depois de momentos assim.


Beijocas
www.lizziepohlmann.com

Camilla disse...

Meu Deus. Que texto mais LIN-DO. Vinicius, como ainda tem a audácia de dizer que meus textos são bons. Depois de ler isso aqui dá até vontade de excluir meu mísero blog. Quase chorei. O amor, ahhh o amor. É uma mescla de tudo. É uma dor que dá prazer. Já amei muito alguém. Namorei 1 ano e alguns meses. Ainda amo a pessoa. Sabe, no início da separação é um vazio tão grande e tão difícil de explicar. É uma vontade enorme de sair gritando, pedindo ajuda, procurando por alguém. Só quem amou de verdade sabe disso. E pelo texto, vejo que sabe o que é amar, amar de verdade. O amor é mais do que esses conceitos medíocres que a sociedade inventa. O amor é hoje uma palavra tão gasta, tão mal usada, que precisa ser redefinida para ser autêntica.
Repito, lindo o texto.
Obrigada por me proporcionar a leitura de algo tão belo.

Beijão!

=)